-Fome e medo após incêndio em 90 igrejas e centenas de casas

          O distrito de Kandhamal, no Estado de Orissa, permanece sob tensão 10 dias após uma série de ataques anticristãos terem começado, e milhares de cristãos cujas casas foram incendiadas estão enfrentando fome e medo. Eles pedem orações de irmãos em todo o mundo.

Cristãos locais que fugiram para as montanhas por temerem por suas vidas começaram a voltar devido à ostensiva presença da polícia e de seguranças pessoais”, disse o pastor Victor John.

O pastor foi à vila Udaigiri, na área de Mallikapur, em Kandhamal, como pregador convidado pela igreja batista no dia 24 de dezembro, dia em que começaram os ataques pelos extremistas hindus do Vishwa Hindu Parishad (Conselho Mundial Hindu ou VHP).

Victor John disse ao Compass que a atmosfera ainda está tensa apesar do deslocamento das tropas. “Eu estou planejando voltar para minha casa no Estado de Chhattisgarh, mas é muito arriscado”, declarou ele em um claro tom de nervosismo. “Preciso de orações.”

Um policial disse ao Serviço de Notícias Indo-Asiático (IANS) que apesar de não terem relatos de violência nos últimos dias, “a situação continua crítica”.

O IANS também declarou que pelo menos três casas foram queimadas em três ataques distintos no último dia 31 de dezembro nas vilas de Rabingia, Barpada e Daringbadi.

Saldo dos ataques

De acordo com um memorando submetido à Comissão Nacional de Direitos Humanos, líderes cristãos disseram que pelo menos 9 pessoas morreram, aproximadamente 90 igrejas foram incendiadas, 600 casas foram destruídas ou queimadas, e 5000 pessoas foram afetadas.

O memorando foi assinado pelo arcebispo católico de Délhi, o reverendo Vincent Concessão; pelo presidente do Conselho Geral dos Cristãos da Índia (AICC, sigla em inglês), Joseph D’Souza; pelo porta-voz da arquidiocese católica de Délhi, reverendo Dr. Dominic Emmanuel; e pelo secretário da Associação Cristã Legal, Lansinglu Rongmei, entre outros.

Dr. John Dayal, secretário- geral da AICC, declarou ao Compass que não há um relato oficial de quantas pessoas morreram nos tiroteios com a polícia, pela violência da multidão ou outros acontecimentos ocorridos durante o período de violência anticristã que começou na véspera de Natal.

“Muitas pessoas, incluindo moças, ainda estão desaparecidas”, disse Dayal, que estava visitando o distrito de Kandhamal numa missão de levantamento dos fatos.

“Nós não temos informações, e não sabemos se a polícia está procurando por eles. Fomos informados que cristãos foram presos, mas não há nenhuma declaração oficial. Os arruaceiros parecem estar livres em todo o distrito apesar do toque de recolher noturno”, disse o secretário da AICC.

Dificuldade de acesso, dificulta envio de ajuda

Dayal reclamou que nenhum grupo ligado às igrejas teve permissão de visitar as áreas afetadas, então o AICC não pode providenciar apoio psicológico às vítimas traumatizadas.

A polícia pediu que a equipe de Dayal deixasse Kandhamal no domingo (30 de dezembro), mas depois de ir para a capital do Estado Bhubaneswar, ele retornou para as vilas afetadas.

“Nós soubemos através de nossos líderes e outras pessoas que se comunicaram conosco que estão acontecendo discriminações na distribuição de ajuda, e que muitas famílias ainda não foram assistidas”, ele acrescentou.

“Funcionários do governo não estão ajudando as mulheres”, ressaltou Dayal, dizendo que as mulheres deveriam trazer seus maridos ou filhos. “Nós tememos que isso seja uma desculpa para prender os homens”, ele disse.

Resposta violenta a conversões

As tensões em Kandhamal começaram no dia 24 de dezembro quando cristãos católicos e protestantes estavam levantando uma tenda para as comemorações de Natal.

Uma multidão liderada pelo VHP deu início ao violento ataque contra os cristãos e suas lojas para protestar contra o plano da celebração (leia mais).

Cristãos locais disseram que o líder do VHP, Swami Laxmananda Saraswati, um conhecido opositor dos cristãos por mais de uma década, estava por trás do ataque.

“Foi Saraswati que instigou a multidão a nos atacar”, declarou um cristão de Brahmani pedindo anonimato.

“Depois, os cristãos souberam que Saraswati estava vindo para começar novos ataques. Vários cristãos tentaram impedi-lo no caminho, o que resultou em um confronto entre os dois grupos; depois disso o VHP declarou que seu líder havia sido ferido e anunciou que agora os cristãos seriam atacados como vingança”.

Saraswati disse à mídia em 25 de dezembro que a razão para a violência foram as conversões dos cristãos locais. Estima-se que os cristãos sejam 16% do total da população do distrito de Kandhamal.

Pedidos de proteção

Cristãos de várias denominações de todo o país fizeram vários comícios para mostrar solidariedade com as vítimas, e se encontraram com líderes políticos, incluindo o primeiro- ministro, pedindo que eles garantissem a segurança dos cristãos em Orissa.

Pedidos por escrito foram submetidos ao primeiro ministro Manmohan Singh, ao presidente Pratibha Patil, ao ministro da Casa Civil, Shivraj Patil, ao ministro-chefe do Estado de Orissa, Naveen Patnaik, e ao governador Murlidhar Chandrakant Bhandare.

Um grupo de autores cristãos pediu um boicote contra o VHP por seu papel nos acontecimentos violentos em Orissa.

O Fórum dos Escritores, que se reúne em seu segundo encontro anual em Panjim, no Estado de Goa, requereu o boicote em um memorando ao presidente Pratibha Patil na segunda-feira (31 de dezembro).

O Fórum acusou os governos federal e do Estado de Orissa de apatia e falta de ação por causa de sua incapacidade de interromper com a violência premeditada, dizendo que os abusos em andamento trazem “prejuízos internacionais para a reputação da Índia”.

A polícia, no entanto, diz que o terreno peculiar da área dificulta seus movimentos e esforços para chegar aos locais de conflito em tempo.

“Kandhamal, que tem uma área de 8.021 quilômetros quadrados, tem apenas 15 delegacias de polícia com uma força de 647 policiais, que cuida de uma população de 648.201”, disseram as autoridades ao jornal “Hindustan Times”.  

Fonte: Missão Portas Abertas 

0 Responses to -Fome e medo após incêndio em 90 igrejas e centenas de casas

  1. kenia sê:

    Meus amados tudo está chegando ao fim, não desistam o arrebatamento está proximo, nunca se esqueçam de tudo que o Nosso Senhor Jesus Cristo sofreu por nos, sua morte ali na cruz não foi em vão não.Ele nunca se esqueceu de vocês amados, porém somos partes do cumprimento das escrituras, somos parte da ultima hora e irá chegar a hora em que estaremos juntos felizes eternamente ao lado do Senhor Jesus, conteplando a face do Deus Jeová, amém, estarei orando por vocês.

Lewer kommentaar

Verskaf jou besonderhede hieronder of klik op 'n logo om in te teken:

WordPress.com Logo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by WordPress.com. Log Out / Change )

Twitter picture

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Twitter. Log Out / Change )

Facebook photo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Facebook. Log Out / Change )

Google+ photo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Google+. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: