-Igreja Maná vai recorrer do decreto que proíbe as suas atividades em Angola

     . . .

     A Igreja Maná vai recorrer da decisão do governo de Angola, que proibiu a instituição de exercer qualquer atividade no país, anunciou o líder Jorge Tadeu.

     “O nosso advogado disse-nos que o que estão fazendo é um ato inconstitucional”, disse Jorge Tadeu, adiantando que o defensor da igreja “vai impugnar” a decisão.

     Um decreto publicado no dia 25 de janeiro no “Diário da República de Angola” sustenta a decisão de revogação do reconhecimento oficial da Igreja Maná com a conclusão de um processo instaurado pelo Ministério da Justiça onde foram detectadas “violações sistemáticas” da lei angolana e da ordem pública (leia mais).

     Numa entrevista concedida à “Agência Lusa”, Jorge Tadeu garante que nem os dirigentes da Igreja Maná em Angola – o bispo Joaquim Muanda e o bispo Miguel Carvalho – nem os líderes em Lisboa foram “chamados, notificados ou acusados de coisa nenhuma”.

     “Fomos apanhados de surpresa”, garantiu o líder religioso. “O nosso advogado diz que estamos procedendo bem. Vai impugnar o ato e está muito otimista porque nunca fomos ouvidos”, acrescentou.

     O fechamento da Igreja Maná em Angola está sendo “religiosamente” cumprido. Seus principais locais de culto em Luanda estão totalmente fechados e com a polícia à porta, constatou a “Agência Lusa”.

     O fundador e líder da Igreja Maná disse ainda que o decreto contém imprecisões, entre as quais a de que o processo é contra “a Igreja Maná representada por Jorge Tadeu”.

     “Não está correto. Não represento a igreja lá. Temos igrejas legalizadas em vários países e cada uma tem a sua estrutura. É-lhes dada autonomia administrativa e financeira”, explicou.

Liberdade religiosa

     Jorge Tadeu disse ainda que o decreto acusa a Igreja Maná em Angola de “usar a liberdade religiosa para praticar atos incompatíveis com a vida, atos contra a integridade física das pessoas, contra a dignidade das pessoas e contra a ordem pública”.

     “É precisamente o oposto. As pessoas estão chocadas. Em termos bíblicos, fala-se de perseguição religiosa”, sublinhou ele, que inicialmente descartara essa possibilidade por ainda desconhecer o teor da alegação das autoridades angolanas para a decisão. 

     De acordo com o líder da Igreja Maná, esta situação é resultado de “um equívoco” e terá sido conseqüência de um “ato arbitrário de alguém que se deixou enganar”.

Abaixo-assinado

     Em um abaixo-assinado intitulado “Defesa da liberdade religiosa e exercício de culto dos fiéis”, os membros da igreja pedem liberdade para expressarem a sua fé em público, uma maior abertura religiosa e que “não sejam impedidos de amarem Cristo da forma que entendam escolher como a mais adequada”.

     “(…) Temos direito à liberdade de culto e seu exercício(…), uma vez que a Constituição refere que a liberdade de consciência é inviolável”, refere o abaixo assinado.

     Instalada em Angola há 20 anos, a Igreja Maná tem, segundo Jorge Tadeu, naquele país “entre 600 a 900 igrejas”, a maior parte em Luanda e arredores, mais de 1.200 milhões de fiéis e um bom relacionamento com o governo.

Fonte: Missão Portas Abertas

Advertisements

Lewer kommentaar

Verskaf jou besonderhede hieronder of klik op 'n logo om in te teken:

WordPress.com Logo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by WordPress.com. Log Out / Verander )

Twitter picture

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Twitter. Log Out / Verander )

Facebook photo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Facebook. Log Out / Verander )

Google+ photo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Google+. Log Out / Verander )

Connecting to %s

%d bloggers like this: