-BRASIL: Projeto da lei anti-homofobia, que tramita no Senado Federal, causa apreensão no segmento evangélico

LEI DA HOMOFOBIA: UMA LEI, MUITAS POLÊMICAS

Quando foi usado pela primeira vez, em 1972, pelo psicólogo americano George Weinberg em seu livro A sociedade e o homossexual saudável, a palavra “homofobia” não chamou muito a atenção. Não era para menos – àquela época, a homossexualidade era ainda um comportamento restrito, quase marginalizado, que as pessoas fingiam não enxergar. Classificada como doença, a atração física entre pessoas do mesmo sexo era tratada como aberração. O tempo passou, as sociedades se transformaram e hoje quem se diz gay fala de sua própria opção com orgulho. Neste contexto, a tal homofobia, que é modernamente definida como aversão ao comportamento homossexual, passou a ser quase um impropério. E qualquer um que, por convicção pessoal, fé religiosa ou simplesmente liberdade de escolha se diga contrário a essa opção sexual corre o risco de ser visto como preconceituoso.

Pois aqui no Brasil, a questão pode ir bem além do simples choque de opiniões contrárias. Tramita no Senado Federal o projeto de lei 122/2006, apresentado pela ex-deputada federal Iara Bernardi (PT-SP) em 2001. A proposta já passou pela Câmara dos Deputados e agora está sendo avaliada pelas comissões internas do Senado, formalidade necessária antes de seguir para votação plenária. Se chegar a ser aprovado e sancionado pelo presidente da República, o projeto, também chamado de Lei da Homofobia, pode causar sérios problemas para quem discriminar pessoas homossexuais em função desta condição. A proposta tem pontos incontroversos, como a proibição à demissão de um funcionário pelo fato de ele declarar-se gay. Em contrapartida, pode criminalizar quem se manifestar contrariamente ao homossexualismo – em tese, até mesmo uma pregação religiosa sobre o assunto pode levar seu autor para a cadeia.

O que causa preocupação, além do caráter extremamente subjetivo dos artigos do PL 122/2006, é o rigor das penas cominadas, que podem chegar a até cinco anos de reclusão. Entre as justificativas que Iara utilizou para elaborar o projeto, está o que chamou de “dever de encontrar mecanismos que assegurem os direitos humanos, a dignidade e a cidadania das pessoas, independente de raça, cor, religião, opinião política, sexo ou orientação sexual”. E é justamente esse último item que promete fomentar as discussões. O texto diz ainda: “O que estamos propondo é o fim da discriminação de pessoas que pagam impostos como todos nós. É a garantia de que elas não serão molestadas em seus direitos de cidadania”.

Pressão – Desde a votação do projeto pelos deputados, iniciaram-se diversas manifestações de grupos preocupados com o que sua possível aprovação pode desencadear. O advogado Zenóbio Fonseca, consultor jurídico e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), iniciou uma campanha evangélica de pressão sobre os parlamentares a partir da publicação de seu artigo A criminalização da homofobia no Brasil. Foi a deixa para que milhares de pessoas sobrecarregassem as caixas de e-mails e congestionassem as linhas telefônicas de deputados e senadores. Em março de 2007, a senadora Fátima Cleide (PT-RO), indicada para relatar o projeto na Comissão de Direitos Humanos do Senado, solicitou a retirada da matéria da pauta para uma profunda análise antes do relatório final.

Segundo Fonseca, o projeto entra em conflito direto com os princípios irrevogáveis de garantia às liberdade de pensamento, de consciência e de religião estabelecidos no Artigo 5º da Constituição Federal – e isso, segundo o estudioso, já justifica o arquivamento da medida. “As pessoas que pregarem a Bíblia e seus valores éticos, morais, filosóficos ou psicológicos poderão ser enquadrados e penalizados pela lei anti-homofobia”, preocupa-se. Ele se refere aos diversos textos das Escrituras que condenam o comportamento homossexual como pecaminoso diante de Deus. Desde seus primórdios, a Igreja Evangélica, com base nestes escritos, prega que os praticantes da homossexualidade precisam abandoná-la se quiserem a salvação em Jesus. “Estamos a um passo de uma possível perseguição religiosa por expressar a fé e seus valores genuínos”, continua o advogado. Ele lembra que o Conselho Federal de Psicologia já expediu uma norma proibindo os profissionais da área de interferir na mudança de orientação sexual de seus pacientes, mesmo que por solicitação dos próprios. “Já houve até psicólogos sendo processados por isso”, diz. “O papel do profissional ou do conselheiro espiritual é apoiar aqueles que, por si próprios, desejam mudanças em suas vidas”, frisa, por sua vez, a psicóloga Rozangela Alves Justino. Bastante criticada por apoiar os que, voluntariamente, demonstram interesse em deixar a homossexualidade, ela se tornou uma persona non grata pelos movimentos GLBTS (assim designados os grupos de defesa de gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e simpatizantes). “Não há uma terapia própria para pessoas que vivenciam a homossexualidade, e sim para o ser humano”, explica a terapeuta. Rozangela, que é evangélica, se diz contra projetos que venham reconhecer qualquer direito dos homossexuais. “Do ponto de vista bíblico, a homossexualidade é considerada pecado que poderá ser perdoado se houver arrependimento e desejo de mudança por parte do pecador”, comenta.

Em seu artigo publicado no site pontojuridico.com, o promotor de Justiça do Rio Grande do Sul Cláudio da Silva Leiria expressa temor de que a aprovação do PL 122/2006 possa abrir precedentes perigosos. “Quem sabe se o próximo passo não será proibir a utilização da Bíblia, já que, em uma passagem, o apóstolo Paulo recrimina a conduta de homens que se deitam com outros homens?”, desafia. E ele aponta a mídia como grande responsável pela massificação do estilo de vida homossexual. “A causa gay ocupa cada vez mais espaço nos meios de comunicação e nas artes. Há décadas, as telenovelas vêm propagando a ideologia homossexual, solapando valores muito caros à família brasileira e deformando sua opinião”, diz.

Restrição às pregações – “Muitos estão se mobilizando contra o projeto anti-homofobia por perceberem que as implicações, cedo ou tarde, atingirão em cheio sua liberdade de expressar o que a Bíblia diz sobre o homossexualismo”, destaca, por sua vez, o escritor evangélico Júlio Severo, autor do livro O movimento homossexual (Editora Betânia). Fato é que, no Congresso Nacional, assim como na sociedade, o assunto rende muita discussão. Parlamentares ligados às igrejas Católica e Evangélica temem que a aprovação do texto, como está, possa acirrar ainda mais o patrulhamento que os críticos do comportamento homossexual têm sofrido. “Não são somente os evangélicos que são contra, mas também os católicos, espíritas, até mesmo os ateus”, aponta o senador Magno Malta.

Para Marcelo Crivella, senador ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, a nova lei pode interferir diretamente no cotidiano das pessoas. Isso porque, segundo ele, a nova lei favorece até mesmo o chamado homoerotismo em público – as expressões físicas de afeto entre pessoas homossexuais. Isso porque o projeto da deputada Iara Bernardi pretende combater qualquer um que reprima a exposição dessa afetividade. Mas uma das maiores preocupações de Crivella, que é um dos encarregados de analisar o projeto, é em relação à restrição das atividades pastorais caso vire lei: “Um sacerdote, seja católico ou evangélico, não pode ser proibido de pregar que o homossexualismo é pecado. E toda igreja deve ter o direito de afastar um padre ou pastor por questões que contrariem seus princípios religiosos”, ressalta.

Silas Malafaia, um dos mais conhecidos pastores do país, se diz bastante preocupado com a possibilidade de enquadramento de pregações com teor crítico à homossexualidade. “Nada tenho contra as pessoas que adotam esse tipo de comportamento, mas não vou parar de pregar que homossexualismo é pecado”, desafia, com seu estilo característico. Ligado à Assembléia de Deus, Malafaia mantém no ar o programa de TV Vitória em Cristo, que tem sido uma tribuna para sua campanha “Diga não!” – o objetivo é incentivar os crentes a se manifestarem contra a aprovação do projeto.

Para o bispo Robinson Cavalcante, da Diocese Anglicano do Recife (PE), os direitos de cidadania dos homossexuais já são suficientemente garantidos pelo ordenamento jurídico vigente no país. Por isso, ele critica a lei anti-homofobia: “Esperamos que os defensores da ética e da instituição familiar, e das diversas religiões, possam se unir e derrotar todos os projetos de leis que sejam uma violência contra a moral, a sanidade pessoal, social e a família”, sentencia. Autor do livro Reforçando as trincheiras (Editora Vida), que faz uma análise da problemática do homossexualismo à luz do cristianismo histórico, o bispo destaca que é fundamental preservar as liberdades filosófica, religiosa e de expressão, inclusive em relação a este tema. “Isso é importante para o bem-comum do país como um todo, e não só para a Igreja”, conclui.

Facada no cristianismo

Deputado estadual pelo PTB e primeiro vice-presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo, o pastor Waldir Agnello tem acompanhado de perto a polêmica sobre o reconhecimento do homossexualismo na sociedade brasileira. Em novembro, ele foi um dos principais críticos de um espetáculo bizarro – a performance de um transformista em pleno Parlamento paulista –, mas deixa claro que sua postura contrária é amparada pelos princípios cristãos nos quais acredita, sem nenhuma discriminação aos homossexuais ou a qualquer outro grupo. Ministro ordenado pela Igreja do Evangelho Quadrangular, Agnello não tem exercido o pastorado em nenhuma igreja específica em função do mandato parlamentar. Em entrevista à revista ECLÉSIA, ele falou sobre o acirramento da questão homossexual na sociedade e o projeto de lei que visa punir a chamada homofobia:

ECLÉSIA – Recentemente o senhor apresentou um projeto para a revogação da lei estadual 10.948/01, que pune a discriminação por orientação sexual no Estado de São Paulo. O que tem a falar a respeito?

WALDIR AGNELLO – Ao meu ver, essa lei é inconstitucional, porque estabelece penalidades, sanções, até sob crime, a discriminação aos homossexuais. O ponto que está sendo colocado ai é a sua ilegalidade, compete apenas e tão somente ao Congresso Nacional legislar sobre direito penal e não às assembléias legislativas e nem as câmaras municipais. Para entender como não há nenhum apelo homofóbico nessa atitude, vou tentar traduzir com um exemplo: se um casal de homossexuais estiver num restaurante trocando caricias, e o dono pedir para que não ajam dessa maneira, eles podem ir a uma delegacia e denunciá-lo. Na primeira vez, o proprietário pode ser multado, na segunda a multa triplica e na terceira ele pode até ter o alvará cassado. Agora, se acontecer a mesma situação com um casal de heterossexuais, ele não tem onde reclamar. Portanto, meu pedido de revogação a lei é por estarmos incorrendo em privilégios. Já estamos acobertados pelos direitos civis, não precisamos de outra lei.

ECLÉSIA – De acordo com a bancada evangélica do senado, apesar do número reduzido de cristãos, a lei da homofobia dificilmente será aprovada. O senhor também compactua desse otimismo?

WALDIR AGNELLO – Estou otimista, acho que isso faz muito sentido. Não precisa haver uma lei exclusiva, isso é dar privilegio a uma categoria. Estarão cometendo um grande erro, uma inconstitucionalidade se aprovarem. Acredito que no Senado haverá uma resposta coerente, e a sociedade vai aprender a respeitar o homossexualismo na medida que o homossexualismo aprender a respeitar a sociedade. Essa relação independe de lei, os homossexuais precisam conquistar seu espaço e acho que estão conquistando, tantos que existem muitos adeptos do que ganharam o respeito da sociedade.

ECLÉSIA – Um fato que causou muita polêmica e agitou a Assembléia Legislativa no último mês foi performance de um transformista, organizado pelo deputado Carlos Gianazzi , numa manifestação em defesa da lei da homofobia. Como o senhor reagiu a esse episódio?

WALDIR AGNELLO – Isso foi muito triste para o parlamento paulista, muito desagradável trazerem para a assembléia, uma casa de leis, uma pessoa vestindo calcinha e sutiã. Isso não tem nada a ver com essa pessoa ser homossexual, se fosse uma mulher a minha reação seria a mesma. Aqui dentro eu penso pelos meus valores, convicções e interpretação regimental, tudo que desrespeita nosso regimento, avilta a sociedade e não contribui de nenhuma forma positiva para a imagem do nosso parlamento. Eu teria um grade conflito interior se ficasse omisso, , então eu fiz uma questão de ordem ao presidente apresentando minha indignação e solicitando providências.

ECLÉSIA – E quanto aos demais? Como eles reagiram?

WALDIR AGNELLO – No primeiro momento, a grande maioria não tinha conhecimento do que estava acontecendo, mas a partir do momento em que começaram a ver as imagens, a indignação foi muito grande; até mesmo os que apoiam o movimento homossexual não concordaram com essa atitude.

ECLÉSIA – Esse episódio pode influenciar o Senador na hora da votação da lei da homofobia?

WALDIR AGNELLO – Pode sim influenciar, e não somente no Senado como também no meu projeto de lei estadual. Duas coisas agora acabam quase que se juntando, e eu já estou vendo isso acontecer. Quem perde com isso é o movimento GLBTS porque a sociedade está vendo que esse movimento não pode ser desregrado, não pode querer se insurgir de uma forma a neutralizar ou atravessar os direitos dos outros. Caso contrário, daqui a pouco vamos ter uma outra ração, uma outra etnia, uma classe de privilegiados, e não é essa a proposta.

ECLÉSIA – Considerando a hipótese de aprovação da lei, o que pode trazer de conseqüências para a sociedade e a igreja brasileira?

WALDIR AGNELLO – Digamos que uma abertura muito perigosa, porque o texto dessa lei diz que até materiais escritos contrários aos homossexuais serão passíveis de serem apreendidos. Isso nos remete diretamente à Palavra de Deus, vamos que jogar nossas bíblias fora e editar uma nova, pois ela deixa claro que o homossexualismo está fora do padrão de vida normal estabelecido por Deus. Um pastor vai ter sérias dificuldades de conduzir o culto, e vai ficar sujeito às mesmas sanções que eu simbolizei com o dono do restaurante. Então, para o meio cristão – não só evangélicos, mas os católicos, os presbiterianos, adventistas –, todos terão sérios problemas. A aprovação dessa lei seria ao uma facada muito profunda na história do cristianismo.

ECLÉSIA – Já que o senhor citou os católicos, eles defendem princípios bíblicos diferentes dos evangélicos. Não seria um momento propício de se unirem contra a aprovação da lei?

WALDIR AGNELLO – Com certeza, eu diria que os católicos e os evangélicos somados são a maioria absoluta na sociedade, então uma junção de forças traria um final muito feliz. O movimento de GLBTS pode ficar muito tranqüilo, pois as discriminações, perseguições, espancamentos não partem dos que conhecem os princípios da Palavra de Deus. Eles estão se preocupando com as pessoas erradas, têm que tomar cuidado com as gangues, com os grupos menores que acabam praticando atos violentos contra o próximo, independente de serem homossexuais ou mendigos.

ECLÉSIA – Voltando a questão à atitude do deputado Carlos Gianazzi ao levar uma transformista para a assembléia, o senhor pediu a cassação dele por falta de decoro parlamentar?

WALDIR AGNELLO – Quero que fique bem claro que eu não pedi a cassação dele, mas providências. Providencias. Meu dever de ordem aponta a falha, eu poderia estar levando essa questão direta poro conselho de ética ou corregedoria, no entanto encaminhei para o presidente da assembléia. Se entender que houve excessos, ele vai encaminhar o assunto para esses fóruns, que definirão as penalidades: advertência, suspensão temporária ou cassação do mandato. Não cabe a mim determinar a pena, mas apontar o erro.

Fonte: Revista Eclésia – Edição 121


CONTATO COM O AUTOR:
(11) 9522-6879 jdmorbidelli@estadao.com.br

Participe da comunidade no orkut ( Eu Li JD Morbidelli ):http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=11523076

FONTE: http://recantodasletras.uol.com.br/artigos/785715

Advertisements

0 Responses to -BRASIL: Projeto da lei anti-homofobia, que tramita no Senado Federal, causa apreensão no segmento evangélico

  1. Dirce Figueiredo sê:

    Achei muito importante essa abordagem, e olha que ela não foi mais pormenorizada. Pois, não adentrou às questões de doenças como a aids, em que tantos foram prejudicados. Outra coisa, é que se um adolescente quiser se colocar como homossexual no meio de sua família com base nesse projeto que penaliza quem for dito contrário e portanto, homofóbico, o que será dos pais e dos demais? ou seja, um pai/mãe poderá até ser preso quando ele/ela tem obrigações de sustentar, educar, formar um caráter equilibrado, etc. É uma total aberração social ao que se propõe esse projeto quanto a sua criminalização. Porque sabido é que a prática homossexual ocorre independente de lei a favor ou contra. Mas, acima de qualquer coisa, os valores são necessários para o saudável desenvolvimento social. E por fim digo, que a humanidade se estabelece e vai adiante é porque homens e mulheres se relacionam e com certeza as garantias a esse relacionamento deve permanecer. Obrigado.

  2. Oséas Ferreira dos Santos sê:

    A quase 2000 mil anos atraz, Jesus disse: O mundo jaz no maligno imagine hoje?.Não somos contra as pessoas dos homossexuais mas a pratica; não temos preconceitos mas sim conceito, no principio Deus criou macho e femia.
    Quem tiver um pouquinho de conceito podemos dizer carater, pode se perguntar, e a familia? Isso é sem sombra de duvida uma violencia contra a celula mater da sociedade que é a familia. Mas infeslismente no pais em que vivemos violencia transformou em cultura, é só ouvir as musicas que fazem sussesso aqui, só falam de violencia, sexos,e satanismo o que querem mais. Jesus esta voltando e tudo isso vai acontecer para que manifeste os que vão subir no Arrebatamento. Obrigado

  3. Pr Luiz Carlos sê:

    “A SOCIEDADE TALVES NEM IMAGINE MAS A “NOVA ERA” (que já está se estabelecendo no mundo) É O INÍCIO DO CAOS!

    “Os males e as corrupções dos últimos dias”

    Sabe, porém, isto: nos últimos dias sobrevirão tempos “difíceis,
    pois os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios,
    sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem,
    traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus,
    tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. Afaste-se desses homens.

    “difíceis: Severo, selvagem, perigoso, doloroso, feroz cruel, difícil de lidar. A palavra descreve uma sociedade desprovida de virtude, permissiva, cega aos padrões de moralidade e decência; hávidas por desejos proibidos. Minha expresão pessoal é que coisas piores virão, pois vivemos os últimos dias nesta terra e estes sinais e outros são os que evidenciam a vinda de cristo. Preparem-se para coisas muito piores!!!

  4. thiago sê:

    VOCÊ JA IMAGINOU…NÃO PODE..FALAR NADA ….VER AQUELAS CENAS, DIANTE DOS SEUS FILHOS????

    BOM TEM MUITAS DESVANTAGENS E NENHUMA VANTAGEM…

    SE…SEM A LEI JA É UMA SACANAGEM IMAGINE COM A LEI ….ELES PODENDO ….IRIA SER ORRIVEL…..

    POIS TDS SABEMOS QUE ISSO NÃO É DE DEUS ….

    BOM É ISSO AI….GENTE PENSEM BEM ANTES DE ATITUDES PRECIPTADAS……

    ESPERO QUE ESSA LEI NÃO SEJA APROVADA ..

    POIS DEUS ESTA OUVINDO AS NOSSAS ORAÇÕES

  5. claudio sê:

    vejo esta situação como final dos tempos,e lamento muito,creio em Deus que no ajuntamento do povo de Deus em interceder para que esta lei não seja aprovada em nome de Jesus.

  6. irani dos santos barreto sê:

    boa tarde!
    VENHO POR MEIO DESTA PEDIR AOS SENADORES PRINCIPALMENTE OS REPRESENTANTES DO RIO DE JANEIRO, QUE PELO AMOR DE DEUS NÃO DEIXEM QUE O PROJETO DA LEI ANTI-HOMOFOBIA QUE TRAMITA NO SENADO FEDERAL, SEJA APROVADA PORQUE NÃO GOSTARIA DE VER O RIO DE JANEIRO SER DESTRUÍDO IGUAL SODOMA E GOMORRA. ALÉM DO MAIS AQUELE QUE DIZ QUE É CRISTÃO E VOTAREM A FAVOR DESTA LEI COM CERTEZA CAÍRA EM DESGRAÇA E NÃO ESCAPARÁ DA IRA DE DEUS QUE TEM OLHOS COMO CHAMA DE FOGO E VERÁ A ASSINATURA DAQUELE QUE VOTAR A FAVOR. A PARTIR DAÍ NÃO VÁ CHORAR PORQUE DEUS ESTÁ DANDO TEMPO DE SE ARREPENDEREM. “TUDO O QUE DEUS FEZ É BOM”, MAS COM CERTEZA NÃO ENCONTRAMOS NA BÍBLIA SAGRADA QUE CRIOU GAYS E LÉSBICAS,E SIM MACHO E FÊMEA OS CRIOU E AQUELE QUE ACRESCENTAR OU TIRAR UM TIL DESTA PALAVRA ESTÁ LOUCO. ESPERE E AGÜENTE AS CONSEQÜENCIAS. QUEM SABE UM TSUNAME EM COPACABANA? O DIABO ESTÁ AÍ PARA LEVAR MUITOS COM ELE. CRISTÃOS VAMOS NOS UNIR EM ORAÇÃO.

  7. WILLIAM MAGALHÃES - Rio de Janeiro sê:

    “TUDO O QUE DEUS FEZ É BOM”
    VENHO POR MEIO DESTA PEDIR AOS SENADORES PRINCIPALMENTE OS REPRESENTANTES DO RIO DE JANEIRO, QUE PELO AMOR DE DEUS NÃO DEIXEM QUE O PROJETO DA LEI ANTI-HOMOFOBIA QUE TRAMITA NO SENADO FEDERAL, SEJA APROVADA PORQUE NÃO GOSTARIA DE VER O RIO DE JANEIRO SER DESTRUÍDO IGUAL SODOMA E GOMORRA. ALÉM DO MAIS AQUELE QUE DIZ QUE É CRISTÃO E VOTAREM A FAVOR DESTA LEI COM CERTEZA CAÍRA EM DESGRAÇA E NÃO ESCAPARÁ DA IRA DE DEUS QUE TEM OLHOS COMO CHAMA DE FOGO E VERÁ A ASSINATURA DAQUELE QUE VOTAR A FAVOR. A PARTIR DAÍ NÃO VÁ CHORAR PORQUE DEUS ESTÁ DANDO TEMPO DE SE ARREPENDEREM. “TUDO O QUE DEUS FEZ É BOM”, MAS COM CERTEZA NÃO ENCONTRAMOS NA BÍBLIA SAGRADA QUE CRIOU GAYS E LÉSBICAS,E SIM MACHO E FÊMEA OS CRIOU E AQUELE QUE ACRESCENTAR OU TIRAR UM TIL DESTA PALAVRA ESTÁ LOUCO. ESPERE E AGÜENTE AS CONSEQÜENCIAS. QUEM SABE UM TSUNAME EM COPACABANA? O DIABO ESTÁ AÍ PARA LEVAR MUITOS COM ELE. CRISTÃOS VAMOS NOS UNIR EM ORAÇÃO.

  8. Amanda de Oliveira Andrade sê:

    Eu acredito em DEUS e sei que a biblia condena os afeminados então em confio no meu SENHOR que ELE jamais permitira que esse absurdo seja aprovado eu não sou contra os homossexuais eu sou contra o que eles praticam isso é contra a lei de DEUS e tudo o que é contra a lei de DEUS eu sou contra isso é um abuso eles querem ter mais direitos que qualquer outra pessoa isso não existe,quer dizer que o meu pastor pode processar um homossexual se ele chama-lo de ladrão.

Lewer kommentaar

Verskaf jou besonderhede hieronder of klik op 'n logo om in te teken:

WordPress.com Logo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by WordPress.com. Log Out / Verander )

Twitter picture

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Twitter. Log Out / Verander )

Facebook photo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Facebook. Log Out / Verander )

Google+ photo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Google+. Log Out / Verander )

Connecting to %s

%d bloggers like this: