-Islamização da Europa. Europa = Eurábia… e o Jesus palestino

As pretensões de islamizar a Europa já existem há séculos. Esse objetivo jamais foi abandonado pelos muçulmanos, pois é parte integrante de sua ideologia de conquista do mundo, que é camuflada religiosamente. Seus seguidores devem empenhar-se inflexivelmente em submeter todo os países ao Corão e à lei islâmica, a sharia. Demográfica e culturalmente a Europa se encaminha para uma grande reviravolta. Políticos e religiosos, magnatas das finanças e da mídia estão se tornado os coveiros da cultura ocidental.

A Dra. Bat Ye’or, nascida no Egito e residente na Suíça, estudiosa do islã e autora consagrada, analisou atentamente o dilema europeu frente a Israel e em relação à herança judaico-cristã em um simpósio realizado na Universidade Hebraica em Jerusalém.

Segundo ela, a elite intelectual e política européia é movida por um pacto entre a União Européia (UE) e a Liga Árabe. Após a Guerra do Yom Kippur, em 1973, e antes da crise do petróleo desencadeada pelos árabes, a França conduziu a CE (Comunidade Européia, depois União Européia) à criação da Sociedade para o Diálogo Euro-Árabe (EAD). A Europa obteve certos direitos de pesquisas petrolíferas em países árabes e, em contrapartida, comprometeu-se a defender as posições árabes contra Israel. Isso significa apoio às “fronteiras” de 1949, ao domínio árabe sobre Jerusalém, à OLP e a Yasser Arafat.

Outras conseqüências foram a migração maciça de árabes para a Europa, a edição de livros escolares em língua árabe sob supervisão islâmica e o fomento à cultura islâmica em toda a Europa. As negociações da EAD acontecem sempre a portas fechadas, sem registros por escrito.

A Dra. Bat Ye’or referiu-se à “remoção das raízes judaicas do cristianismo” e mostrou que o islamismo considera essas duas religiões “inferiores”. Na futura “Eurábia”, Jesus seria apresentado apenas como um profeta muçulmano. Ela lembrou também que as notícias publicadas na Europa giram sempre em torno dos “palestinos”, para desviar a atenção dos genocídios cometido por muçulmanos (por exemplo, no Sudão, onde dois milhões de cristãos e animistas foram dizimados). Nas universidades européias já estaria sendo propagada a superioridade do islã. Dentre os europeus, aqueles que se opõem à jihad (guerra santa) islâmica são chamados de tiranos e acusados de criar inimizade entre o cristianismo e o islã. Os não-muçulmanos da Europa são vistos como ímpios e acusados de negarem a verdadeira fé. Assim, a Europa está madura para aceitar o islã.

É significativo que o avanço do islã na Europa ocorre paralelamente com o crescimento do anti-semitismo e das tendências pró-árabes. Por exemplo, uma pesquisa popular em quinze países europeus chegou à chocante conclusão de que 59% dos entrevistados consideram Israel o maior empecilho para a paz no mundo. Em inúmeras igrejas escandinavas praticamente não é mais possível mencionar Israel. Muitos líderes religiosos criticam tudo o que tem qualquer relação com o “Antigo Testamento” e negam toda legitimidade histórica de Israel. Eles também substituem o Jesus judeu por um Jesus “palestino”, mais adequado à propaganda árabe. Portanto, deveriam ser retirados dos primeiros capítulos dos Evangelhos todos os registros genealógicos de Jesus e todas as referências ao Seu nascimento “em Belém da Judéia” (por exemplo, em Mt 2.1).

Pobres guias de cegos, vítimas de um espírito de rebelião contra Deus! Mas todos os que são fiéis à Bíblia, que amam a Palavra de Deus, estão convictos de que Ele cumpre Sua Palavra, que ela é a verdade e que não passará mesmo que os céus e a terra passem. O Senhor disse a respeito de Israel: “Jamais retirarei dele a minha bondade, nem desmentirei a minha fidelidade. Não violarei a minha aliança, nem modificarei o que os meus lábios proferiram” (Sl 89.33-34). A Palavra de Deus é a rocha que suporta todas as tempestades, e sobre ela podemos nos apoiar com confiança. Os que temem ao Senhor não se abalam e não se deixam enganar, pois confessam: “Todas as veredas do Senhor são misericórdia e verdade para os que guardam a sua aliança e os seus testemunhos” (Sl 25.10). (H.H. Goldberg em “Haschiwah”– O Retorno – http://www.beth-shalom.com.br).

Publicado anteriormente na revista Notícias de Israel, outubro de 2004.

Fonte: www.chamada.com.br

Advertisements

0 antwoorde tot -Islamização da Europa. Europa = Eurábia… e o Jesus palestino

  1. elcio a.r.maciel sê:

    gostei desta matéria gostaria de receber alguns estudos sobre ela, se possivel. obrigado!

Lewer kommentaar

Verskaf jou besonderhede hieronder of klik op 'n logo om in te teken:

WordPress.com Logo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by WordPress.com. Log Out / Verander )

Twitter picture

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Twitter. Log Out / Verander )

Facebook photo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Facebook. Log Out / Verander )

Google+ photo

Jy lewer kommentaar met jou rekening by Google+. Log Out / Verander )

Connecting to %s

%d bloggers like this: